Domingo, 12 de Outubro de 2008

39- Chuva diluviana

(continuação de 38- Missão humanitária)

 

Estava no meu quarto a ler um livro, A Selva, de Ferreira de Castro, e a ouvir música gravada, quando a luz do gerador desapareceu após um valente relâmpago.


A escuridão da noite, a violência da trovoada, mesmo por cima de nós, o abanar do chão e a infernal barulheira da chuva diluviana sobre as chapas de zinco deixava o mais pacato a pensar.


A meio da manhã, ainda debaixo de chuva, com um céu muito cinzento e carregado de nuvens escuras, recebemos a informação de que a região continuaria até ao fim da tarde sob um violento temporal.

 


Foram horas e horas de trovoada e de chuva persistente.


Nunca tinha visto nada assim. Em qualquer cidade seria uma catástrofe.


Toda a área do aquartelamento ficou transformada num enorme pantanal, as picadas cortadas em vários sítios, pontes destruídas e a pista do avião interdita. Este dilúvio também nos deixou mais pobres. Ficamos sem o abastecimento semanal de frescos  e o correio, tão desejado.


Tirando as rotinas normais de um quartel no meio da mata, passámos parte do tempo à conversa, a jogar, a ler ou a escrever.
 

publicado por Alto Chicapa às 12:02

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
16
17
19
20
22
23
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. 39- Chuva diluviana

.arquivos

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.links

.On line

page counter
blogs SAPO

.subscrever feeds