Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

26- Uma G3 e cinco carregadores de 20 munições

(continuação de 25- "Chindelo" só querer "maka")

 

Mesmo em tempo de guerrilha, onde tinha que salvar a minha pele e lembrar-me que era um militar, embora de uma guerra que não tinha comprado, sentia uma saudável, sincera e desinteressada colaboração em muitos momentos entre “nós” e “eles”, percebia que as pessoas eram puras e não tinham maldade e que a sua revolta devia-se não por causa dos militares mas pelos sucessivos anos de ausência de políticas económicas e sociais, do abandono da administração colonial (Salazar nunca foi a África), o amadorismo dos seus funcionários, dos maus tratos, do trabalho forçado e não pago e de muita “porrada”, como diziam.
 

Contavam, que só pegaram em armas, a exemplo do que tinha acontecido noutros países e porque os brancos portugueses lhes tinham imposto uma vida de escravos.


Estávamos já há algum tempo deslocados naquele destacamento. O armamento disponível era composto por uma espingarda individual G3, cinco carregadores com 20 munições cada, o dilagrama (dispositivo com munição especial, acoplado à G3 para lançar granadas de mão) e algumas granadas de mão defensivas.

 


A nossa segurança nocturna era sempre insuficiente e ridícula.


O armamento, que era para ser poupado e nem pensar em gastar as munições, tinha um fiel vigilante na nossa companhia, um sargento do quadro permanente do exército, que também costumava dizer, a tropa desenrasca-se com aquilo que tem.


Hoje, posso confidenciar, que contava e vivia muito com a nossa sorte, com o espírito de sacrifício, a resistência e a capacidade de sofrimento dos nossos soldados, com o enfraquecimento do MPLA na região, com a deslocação da simpatia das populações locais pelo outro movimento de libertação, a UNITA, o desentendimento entre os movimentos de libertação e o acordo bizarro entre colonizador e colonizado, feito entre a tropa da Região Militar Leste, pelos Generais Costa Gomes e Bettencourt Rodrigues, um grupo de madeireiros e o chefe do Galo Negro. Este acordo, transformado num pacto de não agressão, garantia cinicamente à UNITA o controlo do Leste de Angola.


Também sabia que o ano de 1972 estava a ser devastador para a FNLA (Frente Nacional para Libertação de Angola) e o MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola).

 

Viviam com gravíssimos desentendimentos internos. A FNLA teve que enfrentar uma grave amotinação dos elementos na base de Kinkuso, obrigando as tropas do Zaire a intervir, e o MPLA foi confrontado com uma revolta encabeçada por Daniel Chipenda (ex-jogador da Académica de Coimbra), em oposição a Agostinho Neto.


Estes factos, acumulavam-se desde o início de 1972 e foram em grande parte uma consequência da ofensiva portuguesa.

 


No decorrer do ano de 1972, a fraqueza destes movimentos no Leste era evidente. O número de acções que efectuaram sobre as tropas portuguesas e nas populações e o número de baixas que provocaram nas NT (nossas tropas) foi escasso e insignificante a partir do mês de Setembro.


A FNLA entrou em crise total e retirou o seu batalhão para o Zaire, enquanto o MPLA, após o colapso dos seus esquadrões, recolheu às suas bases na Zâmbia.


Mais tarde, perante a desorganização dos dois movimentos que se desfaziam, a OUA e Mobutu juntou-os, com a assinatura do acordo de Kinshasa em 13 de Dezembro de 1972.


Quando fui informado deste acordo, pensei o pior para nós e calculei que iria surgir no terreno uma força poderosa com um objectivo comum, porque a solução encontrada com a criação do CSLA (Conselho Superior de Libertação de Angola) do CMU (Comando Militar Unificado) e do CPA (Conselho Político Angolano) era correcta.


O acordo felizmente não teve consequências, devido às fortes contradições e às inúmeras divergências nos movimentos de libertação e dos seus líderes.
 

publicado por Alto Chicapa às 15:09

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
16
17
19
20
22
23
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. 66- Conclusões

. 65- Epilogo / Fim da comi...

. 64- Epilogo / Destacament...

. 63- Três crianças no quar...

. 62- Os meus olhos já iam ...

. 61- Deslocação a Henrique...

. 60- O tchimbanda

. 59- A iniciação dos rapaz...

. 58- A iniciação das rapar...

. 57- Mergulhos no rio

. 56- Mudança no comando da...

. 55- Torneio de futebol

. 54- Férias no "Putu"

. 53- Sem reabastecimento e...

. 52- O meu primeiro Natal ...

. 51- Um fim-de-semana ante...

. 50- Já passei por aqui e ...

. 49- Uma jiboia e o ataque...

. 48- Formigas quissongo e ...

. 47- Perdidos na mata

. 46- Formigas térmites e d...

. 45- Operação "Pato 7212",...

. 44- Operação "Pato 7212",...

. 43- Operação “Pato 7212”,...

. 42- Operação "Pato 7212",...

. 41- Os preparativos da op...

. 40- Calejamento dos grupo...

. 39- Chuva diluviana

. 38- Missão humanitária

. 37- Primeiro passeio pelo...

. 36- O nosso aquartelament...

. 35- As sentinelas

. 34- Alto Chicapa

. 33- Alto Chicapa, a minha...

. 32- O que é que eu faço a...

. 31- Ordem de movimento pa...

. 30- Chuva e trovoada

. 29- Dois irmãos de mães d...

. 28- O povo e a vida difíc...

. 27- Longínqua terra para ...

. 26- Uma G3 e cinco carreg...

. 25- "Chindelo" só querer ...

. 24- O “nossoalferes” paga

. 23- O O. desenfiou-se

. 22- Fiéis katangueses

. 21- Ataque ao MVL (Movime...

. 20- Exército de mosquitos

. 19- Informação militar em...

. 18- Entregues a nós própr...

. 17- Os maçaricos

.arquivos

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.links

.On line

page counter
blogs SAPO

.subscrever feeds