Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

62- Os meus olhos já iam vendo esta terra de uma forma diferente

(continuação de 61- Deslocação a Henrique de Carvalho)

 

Estávamos em Julho de 1973. Os meus olhos já iam vendo esta terra de uma forma diferente, onde, até já se podia viajar sem problemas.

 

Esquecendo o colonialismo retrógrado de Salazar e os libertadores a soldo de grandes potências, americanos, russos, chineses e outros mais, Angola estava diferente e mostrava-se ao mundo, com uma nova geração de jovens e de quadros técnicos, era auto-suficiente em tudo, com razoáveis serviços de saúde pública e privada, indústrias, agricultura, pescas, minérios, petróleo e diamantes, enfim tudo o que uma grande nação poderia ambicionar.

Havia escolas desde o ensino básico e algumas universidades.

 

Nas últimas viagens que tinha feito, onde muitas viaturas circulavam sem problemas, reparei que nas cidades de Luanda, Nova Lisboa e Henrique de Carvalho, as repartições públicas estavam a funcionar com funcionários naturais de Angola que eram em bem maior número do que os brancos, e a existência de uma classe média e média alta de angolanos de todas as origens.

 

No interior de Angola, onde eu estava, as povoações mais afastadas cultivavam as lavras em paz, colhiam o suficiente para o seu sustento e ainda podiam trocar ou vender no comerciante mais próximo, adquirindo o que necessitavam … mas isto não queria dizer que estivéssemos no paraíso.

 

Na selva africana a felicidade não se encontra nos bens materiais, está dentro de cada um, é um sentimento, é o nosso ser que nos dá a consciência do que nós próprios somos. Aos poucos fui ganhando experiência na maneira de me relacionar com as populações. Aprendi pormenores importantes, quando se deve sorrir, que palavras e gestos usar e qual a atitude mais adequada para o momento.

 

Foi uma experiência única ter acompanhado o mistério de um ajuste de contas. Assassinaram um jovem por adultério, tinha a fama de se ter envolvido com outra mulher casada. Diziam que tinha usado a violência e obrigado a mulher à prática de sexo. Numa atitude de revolta as outras mulheres daquele casamento obrigaram-no a ingerir pó para as baratas e enterraram-no ainda vivo.
 

Terá sido assim? Não se sabe e não havia tribunais, mas pelo menos era assim que se contava o sucedido.


Naquela época a benevolência não era tida como bondade mas sim como fraqueza. Diziam que quem prevaricasse, tem que ser castigado, pois, de contrário, em vez de emendar-se reincidirá. Os maiores crimes eram: o desrespeito ao chefe, o assassínio, ofensas corporais e o feitiço.
Embora não tivessem um código escrito, havia a tradição oral e nenhum membro podia desrespeita-las sem que fosse punido.


Ultimamente, muitas questões eram já resolvidas pelas autoridades locais, o chefe de posto, com base em práticas jurídicas que tentavam harmonizar os usos e costumes locais com a legislação portuguesa. Mas, quase sempre, a maioria das muitas desavenças, eram apreciadas e resolvidas na aldeia sem que delas tivessem conhecimento as autoridades coloniais.


Diziam, os antepassados governam, as divindades ajudam, as magias completam e as superstições previnem. Nzambi (Deus) está no Céu, criou o mundo e os homens e entregou o seu governo aos espíritos, a quem cabe o maior papel.
 

(a seguir - Três crianças no quartel)

 

publicado por Alto Chicapa às 14:36

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
16
17
19
20
22
23
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. 66- Conclusões

. 65- Epilogo / Fim da comi...

. 64- Epilogo / Destacament...

. 63- Três crianças no quar...

. 62- Os meus olhos já iam ...

. 61- Deslocação a Henrique...

. 60- O tchimbanda

. 59- A iniciação dos rapaz...

. 58- A iniciação das rapar...

. 57- Mergulhos no rio

. 56- Mudança no comando da...

. 55- Torneio de futebol

. 54- Férias no "Putu"

. 53- Sem reabastecimento e...

. 52- O meu primeiro Natal ...

. 51- Um fim-de-semana ante...

. 50- Já passei por aqui e ...

. 49- Uma jiboia e o ataque...

. 48- Formigas quissongo e ...

. 47- Perdidos na mata

. 46- Formigas térmites e d...

. 45- Operação "Pato 7212",...

. 44- Operação "Pato 7212",...

. 43- Operação “Pato 7212”,...

. 42- Operação "Pato 7212",...

. 41- Os preparativos da op...

. 40- Calejamento dos grupo...

. 39- Chuva diluviana

. 38- Missão humanitária

. 37- Primeiro passeio pelo...

. 36- O nosso aquartelament...

. 35- As sentinelas

. 34- Alto Chicapa

. 33- Alto Chicapa, a minha...

. 32- O que é que eu faço a...

. 31- Ordem de movimento pa...

. 30- Chuva e trovoada

. 29- Dois irmãos de mães d...

. 28- O povo e a vida difíc...

. 27- Longínqua terra para ...

. 26- Uma G3 e cinco carreg...

. 25- "Chindelo" só querer ...

. 24- O “nossoalferes” paga

. 23- O O. desenfiou-se

. 22- Fiéis katangueses

. 21- Ataque ao MVL (Movime...

. 20- Exército de mosquitos

. 19- Informação militar em...

. 18- Entregues a nós própr...

. 17- Os maçaricos

.arquivos

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.links

.On line

page counter
blogs SAPO

.subscrever feeds