Domingo, 23 de Novembro de 2008

53- Sem reabastecimento e correio

(continuação de 52- O meu primeiro Natal em África)


Tínhamos entrado no ano de 1973, com a época das chuvas a causar muitos aborrecimentos. Era o mau estado das picadas, a dificuldade em circular com as viaturas e a falta do abastecimento dos géneros alimentícios. Aliás, o responsável pela gestão dos alimentos já vinha há algum tempo alertando para o facto de estarmos com poucos géneros, com défice orçamental, e com uma verba que não dava para compras extra.


A propósito, os cozinheiros também diziam que tínhamos perdido a noção do tempo, porque já havia duas semanas que estávamos sem reabastecimento, e que já se andava há três dias com refeições de feijão, massa cozida com água e sal, e atum ou cavalas de lata.

Recordo-me que a última refeição decente, tinha sido “estilhaços” de frango guisado, com massa de “assentar tijolos”.


O vago mestre, furriel V., perante estes indícios de desagrado, nos cozinheiros e no pessoal, foi peremptório:
- Aqui não fazemos milagres!
-Estou farto de pedir, mas não mandam o que necessitamos!
- Não há viaturas que venham ao Alto Chicapa e o avião também não pode aterrar na nossa pista!
- Como o tédio abunda e as noites custam a passar, proponho umas caçadas na zona para reabastecermos as arcas e quebrarmos as últimas magras dietas.


Participei numa dessas caçadas nocturnas.
Éramos quatro num Unimogue a gasolina, uma caixa de ferramentas, uma espingarda mauser, do tempo da segunda guerra mundial, e um farolim.
Regressámos por volta das duas da madrugada com duas peças de caça, um animal de bom porte, um burro do mato com cerca de 120 quilos, e uma gasela com cerca de 20 quilos.
Nunca gostei de andar à caça, mas neste caso, a necessidade falava mais alto e em consciência, foi apenas o necessário.
Quando chegámos ao quartel, os mais curiosos interromperam o sono para verem o resultado.


A natureza era generosa, conseguíamos sempre a carne que o exército nos deveria fornecer. Aliás, toda a região tinha água potável e era muito fértil com terras propícias para a lavoura e com um clima favorável, onde tudo o que semeavam nascia sem necessidade de grandes cuidados.


Um dia, presenciei uma mulher a preparar uma lavra de milho. Era um método estranho, inacreditável e impossível de ser mais simples. Sem cavar o terreno, limpou-o de alguns ramos e ervas secas. De seguida, colocou à superfície e alinhados, uns pequenos montículos de terra misturada com excremento de cabra. Finalmente, introduziu-lhes um grão de milho. Duas semanas depois, com a ajuda das chuvas, nascia um exemplar campo de milho.


Mas, o que atormentava quase todos era a falta do correio, que, em condições de bom tempo, vinha uma vez por semana, pela parte da manhã, num pequeno avião mono motor da base aérea de Henrique de Carvalho, a pouco menos de uma hora de voo.


Naquela época, era a única forma, rápida e económica, de reabastecimento do nosso quartel.


Trazia a dotação de carne, frangos e peixe (pouco), com que abastecíamos as arcas frigoríficas a petróleo, algumas encomendas de camarão ou lagosta para petiscos, e um alimento muito mais valioso, para quase todos, o correio, com o qual se matavam as saudades de casa.


Como era bom, naquele tempo, o momento do dia em que abríamos o correio.
Era um momento mágico, todos o esperavam ansiosos.
Hoje, é engraçado, na melhor das hipóteses não há correspondência, ou se a há são coisas chatas, publicidade ou a maldita correspondência das finanças.
O bom correio que tanto nos alegrava, desapareceu.
 

(a seguir - Férias no "Putu")

 

publicado por Alto Chicapa às 12:50

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
16
17
19
20
22
23
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. 66- Conclusões

. 65- Epilogo / Fim da comi...

. 64- Epilogo / Destacament...

. 63- Três crianças no quar...

. 62- Os meus olhos já iam ...

. 61- Deslocação a Henrique...

. 60- O tchimbanda

. 59- A iniciação dos rapaz...

. 58- A iniciação das rapar...

. 57- Mergulhos no rio

. 56- Mudança no comando da...

. 55- Torneio de futebol

. 54- Férias no "Putu"

. 53- Sem reabastecimento e...

. 52- O meu primeiro Natal ...

. 51- Um fim-de-semana ante...

. 50- Já passei por aqui e ...

. 49- Uma jiboia e o ataque...

. 48- Formigas quissongo e ...

. 47- Perdidos na mata

. 46- Formigas térmites e d...

. 45- Operação "Pato 7212",...

. 44- Operação "Pato 7212",...

. 43- Operação “Pato 7212”,...

. 42- Operação "Pato 7212",...

. 41- Os preparativos da op...

. 40- Calejamento dos grupo...

. 39- Chuva diluviana

. 38- Missão humanitária

. 37- Primeiro passeio pelo...

. 36- O nosso aquartelament...

. 35- As sentinelas

. 34- Alto Chicapa

. 33- Alto Chicapa, a minha...

. 32- O que é que eu faço a...

. 31- Ordem de movimento pa...

. 30- Chuva e trovoada

. 29- Dois irmãos de mães d...

. 28- O povo e a vida difíc...

. 27- Longínqua terra para ...

. 26- Uma G3 e cinco carreg...

. 25- "Chindelo" só querer ...

. 24- O “nossoalferes” paga

. 23- O O. desenfiou-se

. 22- Fiéis katangueses

. 21- Ataque ao MVL (Movime...

. 20- Exército de mosquitos

. 19- Informação militar em...

. 18- Entregues a nós própr...

. 17- Os maçaricos

.arquivos

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.links

.On line

page counter
blogs SAPO

.subscrever feeds